terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Descobrindo o steampunk

A expressão steampunk é originária do inglês, sendo que steam significa vapor e punk capta a ideia da tribo urbana de mesmo nome, no sentido de ser algo não convencional. Na realidade,steampunk é um subgênero da ficção científica, originário da literatura. As obras literárias do estilo são ambientadas na Era Vitoriana; uma época da história real da Inglaterra, entre 1837 a 1901, na qual o país era governado pela Rainha Vitória. Porém, a tecnologia retratada nos enredos é muito avançada para a época, onde as máquinas de alta tecnologia eram movidas a vapor. Por isso, o termo steam. Dentro desse estilo, naves espaciais, carros e aviões são possíveis durante o século 19, através da tecnologia a vapor.

A estética steampunk é bastante peculiar, misturando as roupas e estilo do século 19 com a alta tecnologia criada na ficção. Um termo usado atualmente para designar esse subgênero é o retrofuturista. Os principais autores desse estilo viveram durante o período vitoriano, dentre eles Júlio Verne, autor de Viagem ao Centro da Terra, e H.G.Wells, autor de A máquina do tempo. O steampunk tem a temática voltada também para a fantasia e o terror. A autora Mary Shelley, criadora do livro Frankenstein ou o Moderno Prometeu, contribuiu para o estilo, pois, o enredo, mesmo pertencendo ao romantismo gótico, reflete a intervenção humana na natureza devido a Primeira Revolução Industrial, época em que surgiu a máquina a vapor.

O termo steampunk ganhou uso e notoriedade durante a década de 1980, nos Estados Unidos. No começo, era uma ramificação, do também subgênero de ficção científica chamado de cyberpunk. Porém, esse último é projetado em uma realidade tecnológica altamente avançada em um universo paralelo, no qual, a máquina a vapor não é o essencial. Atualmente, existem vários autores de steampunk, incluindo brasileiros. Em 2009 foi lançado o livro Steampunk: Histórias de um Passado Extraordinário, de Gianpaolo Celli, que é uma antologia de contos escritos por autores brasileiros.


A atriz e modelo norteamericana, Yaya Han, utilizando um look steampunk (Foto: reprodução)

Cinema e games

A popularidade desse subgênero fez com que ele alcançasse outras mídias, como o cinema e os games. Filmes notáveis possuem referência à estética steampunk como De volta para o futuro 3, de 1990 e Van Helsing, estrelado em 2004 por Hugh Jackman. Há também adaptações de livros e histórias em quadrinhos, com essa temática, assim como A Máquina do tempo, adaptação da obra de H.G.Wells e A Liga Extraordinária, adaptada da light novel de Alan Moore.

Em Van Helsing, Hugh Jackman interpreta Gabriel Van Helsing, o destruidor de monstros. Durante o século 19, criaturas malignas habitavam a terra e os caçador dessas terríveis criaturas tinha a função de destruir um mal ainda maior. Com o auxílio de armas avançadas para a época, Van Helsing luta ao lado do frade Carl, interpretado por David Wenham e da cigana Anna Valerious, interpretada pela atriz Kate Beckinsale. O filme faz uma mescla de diferentes enredos de livros, por exemplo, Drácula, de Brham Stoker, e Frankenstein ou o Moderno Prometeu, da autora Mary Shelley.


Cartaz do filme Van Helsing (Foto: Reprodução)

Outro filme que exemplifica a estética retrofuturista é As loucas aventuras de James West. Baseado no seriado de mesmo nome que ficou famoso ao ser protagonizado por Will Smith, que interpreta James West e juntamente com Artemus Gordon, interpretado por Kevin Kleine, combate as poderosas máquinas a vapor inventadas por Dr. Arliss Loveless, caracterizado por Kenneth Branagh.



Cena do filme “As loucas aventuras de James West” (Foto: Reprodução)

Já nos games, o jogo que reflete esse estilo é Alice: Madness Returns, lançado em 2011. Ambientado na era vitoriana, Alice McGee vive em um orfanato e ao ser hipnotizada por um psiquiatra, em uma sessão de tratamento médico, ela é atingida por uma forte alucinação e pensa estar novamente no País das Maravilhas. Porém, o lugar é tomado pela violência; existem diversas máquinas que funcionam à vapor e a garota deve novamente derrotar a Rainha de Copas. Esse game é continuação de American McGee’s Alice, lançado em 2000, que faz menos referências aosteampunk se comparado ao segundo.

Ideologias e tribos urbanas

cyberpuk cria a ideia de que se o capitalismo continuar da forma na qual se encontra, em um futuro não tão distante, o caos tecnológico e social tomará conta da humanidade. O steampunksegue com o mesmo ideal, porém, as narrativas são ambientadas na era virotiana. O ideal desse movimento é uma crítica ao capitalismo exacerbado proporcionado pela Primeira Revolução Industrial. Nas narrativas, a qualidade de vida da população mundial é terrível. Em geral, as belezas naturais são cada vez mais escassas. Enquanto que as grandes metrópoles são cada vez mais estendidas, poluídas e violentas.

Os leitores de ficção científica, adeptos desse subgênero, receberam uma nomeação especial, são os steamers, considerados como um tipo de tribo urbana que gosta do visual retrofuturista e vestem-se a caráter em feiras literárias. Porém, o mais importante diz respeito à consciência; sobre o que o capitalismo de forma descontrolada pode causar à humanidade.

Os modelos de vestimenta criados por essa tribo urbana são baseados nos livros que dão origem ao subgênero. Logo, há a presença de peças vitorianas modificas, com engrenagens, penas, couro, metal entre outros materiais. Acessórios futuristas também fazem parte do visual.



Exemplo de visuais para mulheres e para homens adeptos do estilo steampunk
 (Foto: Reprodução)

Invasão steampunk no universo pop

Mesmo fora de sua tribo urbana, o estilo ganha cada vez mais espaço no cenário pop. Por ter ligação direta com a tecnologia, vários objetos são personalizados para ganharem um ar retrofuturista. Essas personalizações, na maioria das vezes, são feitas por artistas de forma exclusiva.



Pen drive com costumização steampunk (Foto: Reprodução)




A princípio pode parecer apenas uma bela caixa antiga, mas é um moderno notebook 
(Foto: Reprodução)

Nenhum comentário:

Postar um comentário